A nau tem rumo, mas...

 

correções de rotas são muito importantes!!!!

 

IMAGEM

 

Todo curso prevê uma série de procedimentos e estratégias visando alcançar determinados objetivos por meio do desenvolvimento de certos conteúdos e materiais. Seus idealizadores, portanto, ao planejarem o curso, pensam "em alguém". 

E quem é esse "alguém"? Os alunos que, certamente, têm histórias pessoais e acadêmicas diferentes entre si. É essa diversidade que deve ser prevista pelo curso, e isso não é fácil. Mais complicado ainda se se trata de um curso semipresencial ou à distância. Por quê? 

Por dois motivos. Quem dá aulas presenciais sabe que ao entrar em sala de aula, se algo não está correndo conforme era esperado pelo professor/formador, os alunos logo dizem (ou, pelo menos, expressam com o olhar, perguntando, mexendo na cadeira, etc). Rapidamente o professor/formador pode reorientar a sua aula. À medida em que interage com os alunos vai percebendo quais tópicos precisam ser comentados novamente, explicados de outra forma, etc. 

Como esse "feedback" visual não acontece nas aulas à distância essa percepção para correção de rota pode não ser imediata. Esse é o primeiro ponto. 

O segundo ponto é que um curso semipresencial ou à distância requer, necessariamente, uma preparação prévia do ambiente para que o aluno possa se organizar e saber o que dele é esperado em um determinado período. O formador/professor deve acompanhar as atividades dos alunos de tal modo que seja capaz de perceber sinais que indicam a necessidade de alterar a seqüência de conteúdos prevista ou as atividades planejadas para explorar algum conteúdo específico com vistas a melhorar a compreensão e/ou participação dos alunos. 

Uma medida simples, que dá uma "orientação geral" para o curso é a Dinâmica do curso. Na verdade, no TelEduc, "Dinâmica" é o nome de uma ferramenta que pode ser usada pelo professor/formador para apresentar o curso que planejou. A palavra "dinâmica/dinâmico" pressupõe algo que tem movimento, que pode mudar, que evolui. Essa é exatamente a ideia por trás de um curso à distância ou semipresencial: ainda que cuidadosamente planejado e preparado no ambiente ele não está "pronto", exatamente porque é dirigido aos alunos e é em função da participação de todos que o curso vai sendo construído. 

A Dinâmica, no entanto, apresenta as linhas gerais que nortearão esse acontecimento coletivo. Alguns tópicos importantes que devem compor a Dinâmica:

1. Apresentação (nome do curso e sua forma de organização, carga horária, tipo de aula, nº alunos, tipo de acompanhamento - professores/formadores, etc)
2. Objetivos
3. Conhecimentos prévios esperados (em relação ao conteúdo e à tecnologia)
4. Recursos técnicos necessários (computadores, laboratórios disponíveis se for o caso, programas que devem estar instalados no computador)
5. Metodologia de desenvolvimento do curso (duração, carga horária presencial e à distância se for o caso, atividades/ações previstas, formas de acompanhamento, distribuição e funcionamento dos pólos, estrutura curricular do curso, organização dos sites usados no curso no ambiente, materiais, o que é esperado dos alunos em cada tipo de atividade/ação)
6. Avaliação (tipos e critérios gerais, prazos, reescrita de atividades, trabalhos individuais ou em grupo)
7. Certificação
 
Em outras palavras a Dinâmica pode ser considerada uma "carta de intenções" dos professores/formadores dirigida aos alunos. Os alunos, com base nas informações da Dinâmica, saberão o que é esperado de cada um deles para um bom aproveitamento do curso. 
 
A partir daí, com o desenvolvimento do curso, as correções de rota ocorrerão de acordo com os limites expressos na Dinâmica. 
 
Afinal, a nau deverá chegar, seguindo uma ou outra rota, a um mesmo destino!